Na defesa do Servidor Público
Redes Sociais:

Notícias CNSP

Doria anuncia os novos secretários da Fazenda e Transporte

Publicado em: 22/11/2016

Prefeito eleito apresentou oito secretários da nova gestão; entre eles estão um economista do Itaú, um ex-secretário de Haddad e um ex-presidente do Metrô

 

 

O prefeito eleito João Doria (PSDB) anunciou nesta quinta-feira o nome de mais oito secretários da sua gestão. São eles: Caio Megale (Fazenda), Wilson Poit (Desestatização e Parcerias), Sergio Avelleda (Transporte e Mobilidade), Fábio Santos (Comunicação), Soninha Francine (Desenvolvimento Social), Heloisa Proença (Desenvolvimento Urbano), Julio Serson (Relações Internacionais) e Daniel Annemberg (Tecnologia e Inovação).

 

Com o anúncio, o prefeito já presentou treze novos secretários. Ainda faltam nove. Durante a campanha, Doria disse que diminuiria o número de pastas de 27 para 20. Após após ser eleito, no entanto, refez o cálculo para 22 secretarias. Duas foram criadas – Desestatização e Parcerias e Tecnologia e Inovação.

 

Economista formado pela Universidade de São Paulo (USP), Caio Megale fez carreira no mercado financeiro. Integrava a equipe econômica do Banco Itaú Unibanco desde janeiro de 2011. Antes, teve passagens pelo Lloyds Bank, Gávea Investimentos e Mauá Investimentos. Colunista do jornal Valor Econômico, é defensor da PEC 241, que impõe um teto aos gastos públicos e está para ser votada no Senado. A pasta que ele assume mudará de nome de Secretaria das Finanças para da Fazenda.

 

Engenheiro de formação, Wilson Poit trabalhou na gestão do prefeito Fernando Haddad como secretário municipal de Turismo e presidente da SP Turis. É filiado ao Partido Novo. Ele será o responsável por fechar as parcerias com a iniciativa privada e pelas privatizações, uma das principais bandeiras da campanha de Doria. Na administração Haddad, tinha a função de viabilizar as Parcerias Público Privadas (PPP) com o empresariado.

 

O novo secretário de Transportes, Sergio Avelleda, já foi presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e do Metrô durante as gestões de José Serra e Geraldo Alckmin. Advogado especializado em direito público, ele é entusiasta do uso da bicicleta como meio de transporte na capital, o que indica a propensão de Doria de manter a política de ciclovias implementada por Haddad. Chegou a ser acusado pelo Ministério Público do Estado por improbidade administrativa em contratos públicos tanto do Metrô como da CPTM. Neste último caso, acabou sendo inocentado pela Justiça.

 

 

Fonte: Veja.com por Eduardo Gonçalves